Espanhol Português Inglês
GUIA ONLINE
DE FORNECEDORES
Fabricantes Distribuidores Empresas
Busca Geral
Participe agora mesmo
CADASTRE-SE AGORA MESMO!
 


Voltar

ISO lança nova norma sobre validação de alegações sensoriais

A Organização Internacional de Padronização (ISO) lançou uma nova norma para substanciar alegações sensoriais sobre bens de consumo, incluindo alimentos e bebidas. A ISO 20784: 2021 fornece orientação sobre quando e como validar alegações com testes e análises.

“Uma gama de características, como aparência, sabor, odor e textura, pode exigir suporte científico. Uma empresa pode querer colocar na sua embalagem ‘agora com verdadeiro sabor de manteiga’, o que pode ser determinado com um teste sensorial analítico, painel de análise descritiva ou com um teste de consumidor”, explica Christine VanDongen, líder do projeto ISO/TC 34/SC 12.

No entanto, afirmações como “fresco” ou “gostoso” são difíceis de definir. Portanto, é menos provável que sejam contestados. “O uso do padrão fornece garantia de que as mensagens do produto são apoiadas por evidências e, em última análise, protegerá os consumidores de mensagens potencialmente enganosas sem base científica”, observa VanDongen.

A percepção dos consumidores sobre o desempenho de um produto ou as respostas afetivas dos consumidores a um produto também podem precisar de comprovação.

Os tipos de alegações sensoriais que precisam de suporte científico geralmente são motivados pela avaliação da empresa do risco de ser desafiada. Tudo isso depende da avaliação da empresa sobre o risco de ser desafiado, quão competitivo é o mercado, quais são os requisitos governamentais/regulamentares e de publicidade e quais países usam como autoridade para determinar as características do produto.

Algumas empresas exigem testes sensoriais para apoiar a mensagem “agora com mais sabor de bacon” ou “fácil de preparar”. “Novamente, se há testes sensoriais feitos para dar suporte a essas mensagens direcionadas ao consumidor depende da avaliação de risco da empresa. São os advogados que decidem quais mensagens ao consumidor estão dispostos a usar e que suporte é necessário”, diz VanDongen.

Algumas das alegações mais desafiadoras são alegações de saúde e direcionadas a crianças. VanDongen atribui esse obstáculo a grande quantidade de regulamentação nos Estados Unidos e na Europa sobre alegações de saúde. “As empresas que fabricam e comercializam produtos de saúde ou infantis são muito cautelosas ao fazerem alegações. Os produtos infantis têm um conjunto de critérios mais rigorosos para o envio de mensagens”, enfatiza.

Os padrões ISO são voluntários, portanto, não diretamente aplicáveis. No entanto, VanDongen vê um grande potencial para conscientizar a indústria. “Acho que, no mínimo, o novo padrão de alegações sensoriais fará com que a indústria de varejo de alimentos pense ao fazer uma declaração sobre as propriedades sensoriais dos seus alimentos e bebidas ou preferências dos consumidores”, enfatiza.

A ISO 20784 fornece classificações e exemplos, destaca quaisquer problemas especiais associados a testes e apresenta estudos de caso e referências. Foi publicado pelo subcomitê SC 12 da ISO, Análise sensorial, do comitê técnico ISO/TC 34, Produtos alimentícios.




 

Telefone:

+55 11 5524-6931

Celular:

+55 11 99998-0506

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001