Espanhol Português Inglês
GUIA ONLINE
DE FORNECEDORES
Fabricantes Distribuidores Empresas
Busca Geral
Participe agora mesmo
CADASTRE-SE AGORA MESMO!
 


Voltar

BEBIDAS DE SOJA E NUTRIÇÃO

O PAPEL DA PROTEÍNA DE SOJA NO CONTROLE DE PESO

A obesidade é um problema mundial de saúde pública que atingiu grandes proporções. No Brasil, a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas (Vigitel 2012) realizada pelo Ministério da Saúde revela que 51% da população brasileira maior de 18 anos está acima do peso1. Este fenômeno não está apenas limitado aos adultos, o problema de sobrepeso e obesidade se estende também a crianças e adolescentes.

Sobrepeso e obesidade: as causas e as consequências

O excesso de peso e a obesidade podem originar de diversos fatores. Em cada indivíduo, o peso corporal é determinado pela combinação de influências genéticas, metabólicas, comportamentais, ambientais, culturais e socioeconômicas. Entretanto, para a grande maioria das pessoas, o excesso de peso e a obesidade podem ser originados do consumo excessivo de calorias e dos baixos níveis de prática de atividade física2.

Apesar de a obesidade estar relacionada, principalmente, aos fatores genéticos, há uma importante influência do sedentarismo e dos padrões alimentares inadequados no aumento dos índices brasileiros. Fortes aliados na prevenção da obesidade e do sobrepeso, a alimentação saudável e balanceada e também o consumo de frutas e hortaliças está sendo deixado de lado por uma boa parte da população nacional1.

Os crescentes índices de obesidade são associados a diversas e severas consequências para a saúde. Uma recente estimativa de causas de mortes evitáveis nos EUA concluiu que o sobrepeso e a obesidade são a terceira principal causa de morte, superada somente pelo consumo de tabaco e hipertensão arterial3.

Um estudo da Universidade do Estado do Rio De Janeiro (UERJ) avaliou os gastos do Sistema Único de Saúde (SUS) com as principais doenças relacionadas ao excesso de peso: as doenças cardiovasculares, alguns tipos de câncer, diabetes, asma e osteoartrite. O estudo concluiu que tratar esses problemas custa anualmente R$ 3,57 bilhões à rede pública de saúde, contabilizando os atendimentos ambulatoriais e as internações. Este número não inclui os custos indiretos do tratamento. Segundo o estudo, o risco de desenvolver hipertensão arterial é seis vezes maior em homens obesos e 3,5 vezes maior em mulheres obesas em relação a indivíduos de peso normal. Homens e mulheres obesos têm duas vezes mais chance de sofrer um infarto agudo do miocárdio do que pessoas bem nutridas. No caso do diabetes, o risco para desenvolver a doença é 10,4 vezes maior em mulheres obesas e 5,3 vezes maior em homens obesos4.

O papel da proteína no controle do peso

É claro que, para controlar o peso, é preciso reduzir a ingestão total de calorias; porém, recentemente, os pesquisadores voltaram sua atenção para o importante papel que o consumo de proteína pode desempenhar no gerenciamento do peso. Várias revisões bibliográficas concluíram que, durante a perda de peso, um aumento no percentual de calorias obtidas a partir das proteínas da dieta pode proporcionar mais benefícios do que simplesmente restringir a ingestão de calorias. Especificamente, constatou-se dietas baixas em energia que proporcionam proteína na faixa de 25% a 35% de energia total eram mais efetivas de diversas formas quando comparadas com as dietas de menor conteúdo protéico5-6. Os pesquisadores chegaram à conclusão de que substituir os carboidratos – sobretudo os carboidratos refinados – por fontes de proteína pobres em gorduras saturadas aumenta a saciedade, aumenta a perda de gordura corporal ao mesmo tempo em que reduz a perda de massa corporal magra, produz maior perda de peso e, possivelmente, melhora a composição corporal7.

A proteína e a saciedade

Tanto estudos em humanos quanto em animais demonstram que a proteína afeta a saciedade. Na literatura cientifica, chegou-se ao consenso de que a proteína sacia mais do que os carboidratos ou as gorduras8-9-10. Assim, a proteína é cada vez mais considerada protagonista-chave nas estratégias para controle do peso.

Diversos estudos relatam uma perda maior de peso nos voluntários que consumiram dietas pobres em carboidratos e relativamente ricas em proteínas em comparação com várias dietas mais pobres em proteína. Tais estudos provam que as dietas ricas em proteínas e pobres em carboidratos produzem uma perda do peso igualmente boa ou melhor do que dietas tradicionais, ricas em carboidratos e de baixo valor calórico, ao longo de dois anos 11-12.

Proteína de soja, saciedade e gerenciamento do peso

Constatou-se que a proteína de soja possui um efeito similar e, em alguns casos, maior sobre a saciedade do que outras proteínas de alta qualidade consumidas habitualmente13-14.

O papel da proteína de soja na perda de peso em adultos foi tema de três trabalhos abrangentes e recentes de revisão15-16. No geral, estes trabalhos concluíram que as dietas de baixa energia à base, principalmente, de proteína de soja equivalem a dietas de alta qualidade na redução do peso e da gordura corporal. Em parte, estes benefícios ocorrem por causa dos efeitos metabólicos em relação ao metabolismo da glicose e dos lipídios 17. Não foram realizados estudos em crianças.

Referências

1http://www.brasil.gov.br/noticias/arquivos/2013/08/27/populacao-adulta-brasileira-possui-maioria-de-obesos-aponta-estudo

2 U.S. Department of health and Human Services. The Surgeon General’s call to action to prevent and decrease overweight and obesity. [ Rockville, MD] Available from: U.S. GPO, Washington. 2001.

3 Danaei, G.; Ding, E.L.; Mozaffarian, D.; Taylor, B.; Rehm, J.; Murray, C.J.L.; Ezzati, M. The preventable causes of death in the United States: comparative risk assessment of dietary, lifestyle, and metabolic risk factors. PLoS Med. 2009,6.

4 Bahia, Luciana; Coutinho, Evandro Silva Freire; Barufaldi, Laura Augusta; Abreu, Gabriela de Azevedo; Malh o, Thain Alves; Pepe, Camila Ribeiro Ribeiro; ARAUJO, D. V.. The costs of overweight and obesity-related diseases in the Brazilian public health system: cross-sectional study. BMC Public Health(online), v.12, p.440, 2012.

5 Astrup, A. The satiating power of protein – a key to obesity prevention? Am J Clin Nutr. 2005, 82, 1-2.

6 Layman, D. K. Protein quantity and quality at levels above the RDA improves adult weight loss. J Am Coll Nutr. 2004, 23, 636.

7 Westerterp –Plantenga, M. S.; Lejeune, M. P. G. M. Protein intake and body-weight regulation. Appetite. 2005, 45, 187-190.

8 Astrup,A. The satiating power of protein-a key to obesity prevention? Am J Clin Nutr. 2005, 82, 1-2.

9 Schoeller,D. A.;Buchholz, A.C. Energetics of obesity and weight control: does diet composition matter? J Am Diet Assoc. 2005, 105, S24-8.

10 Yancy, W.S., Jr.; Olsen, M.K.; Guyton, J.R,; Bakst, R. P.; Westman, E. C. A Low-carbohydrate, ketogenic diet versus a low-fat diet to treat obesity and hyperlipidemia: a randomized, controlled trial. Annals of internal medicine. 2004, 140, 769-77.

11 Shai, I.; Schwarzfuchs, D.; Henkin, Y.; Shahar, D. R.; Witkow, S.; Greenberg, I.; Golan, R.; Fraser, D.; Bolotin, A.; Vardi, H, H.; Tangi-Rozental, O.; Zuk-Ramot, R.; Sarusi, B.; Brickner, D.; Schwartz, Z.; Sheiner, E.; Marko, R.; Katorza, E.; Thiery, J.; Fieldler, G. M.; Bluher, M.; Stumvoll, M.; Stampfer, M. J. Weight loss with a low-carbohydrate, Mediterranean, or low-fat diet. N Engl J Med. 2008, 359, 229-241.

12 Nordmann, A. J.; Nordmann, A.; Briel, M.; Keller, U.; Yancy, W.S.; Brehm, B.J.; Bucher, H. C. Effects of low-carbohydrate vs low-fat diets on weight loss and cardiovascular risk factors: a meta-analysis of randomized controlled trials. Arch Intern Med. 2006, 166, 285-293.

13 Anderson, G. H.; Moore, S. E. Dietary proteins in the regulation on food intake and body weight in humans. J Nutr. 2004, 134, 9.

14 Semon, B. A.; Leung, P. M.; Rogers, Q. R,: Gietzen, D. W. Effect of type of protein on food intake of rats fed high protein diets. Physiol Behav. 1987, 41, 451-458.

15 Westerterp-Plantenga, M. S.; Nieuwenhuizen, A. G.; Tome, D.; Soenen, S.; Wasterterp, K. R. Dietary protein, weight loss and weight maintenance. Annual review of nutrition. 2009, 29, 21-41.

16 Velasquez, M. T.; Bhathena, S. J. Role of dietary soy protein in obesity. International journal of medical sciences. 2007, 4, 72-82.

17 Veldhorst, M. A. B.; Nieuwenhuizen, A. G.; Hochstenbach-Waelen, A.; Westerterp, K. R.; Engelen, M. P. K. J.; Brummer, R-J. M.; Deutz, N. E. P.; Westerterp-Plantenga, M.S. Effects of high and normal soyprotein breakfasts on satiety and subsequent energy intake, including amino acid and ‘satiety’ hormone responses. Eur J Nutr. 1996, 126, 380-8.

* Elisa Alvarez Trindade é Farmacêutica e Bioquímica em Alimentos, M. Sc. Especialista em Aplicações Sênior, DuPont Nutrição & Saúde.

LOGO

DuPont Nutrição & Saúde

www.food.dupont.com




 

Telefone:

+55 11 5524-6931

Celular:

+55 11 99998-0506

Fique conectado:

Curta nossa Fanpage:
facebook.com/RevistaFIB

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001